Terça-feira, 24 de Julho de 2007

O Filho

 

Corredores na noite

 Pela dor silenciados

 Luzes angustiadas

 Que metem medo.

 

 A mulher escorregou pela parede

 Sentou-se no chão

 As mãos entrelaçou nos joelhos

 Dobrados em desespero

 Esperou sem esperança.

 

 Pelo corredor vazio de fé

 Sem credos

 Corpos passam correndo

 Seu filho levando.

 

 A mulher

 O seu corpo elevou

 No quarto entrou.

 

 Sentindo o filho ausente

 Encostou a face

 Na cama ainda quente

 Não chorou, não soluçou

 Fizou vazia, parada

 Enterrada no nada.

 

 No seu desgosto via o rosto

 O olhar interrogando

 Porquê, mãe?

                                              Aida Nuno

sinto-me:
publicado por criar e ousar às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 8 de Julho de 2007

A Fé Move Montanhas

Falei há dias com uma amiga que não via há algum tempo. Depois de muito conversarmos falámos da Fé. Não quero, de maneira nenhuma, falar-lhes do que motivou o tema mas sim do que, entre outras coisas, ela me disse:

 

”...sabes fiz o caminho sem saber bem porquê, talvez por um pouco de curiosidade mas, sem Fé. Ao meu lado caminhava um jovem que, no meio de uma troca de impressões, me disse: ”faço este caminho todos os anos para agradecer a Fé que tenho dentro de mim. Fiquei muito emocionada. Como é que um jovem, advogado de profissão há muito pouco tempo, tinha tanta Fé e eu uma mulher madura, com tantos percalços e desgostos não a tinha? Nunca me esquecerei o que dentro de mim senti naquele momento, foi qualquer coisa de muito profundo... Hoje sei o que é ter Fé e isso sustenta-me...”


       
A Fé aplica-se a tudo permitindo fazer coisas aparentemente impossíveis. Impulsiona e, como uma força geradora, leva-nos à realização de muita coisa que, à primeira vista, nos parece impossível. A Fé é uma grande força que nos pode ajudar ou nos destruir. A Fé positiva e inteligente é benéfica. Há casos de doenças incuráveis que, em pessoas optimistas, são vencidas contra todas as expectativas. Por outro lado, a fé negativa leva-nos a resultados desagradáveis ou infelizes.

A Fé positiva é firme, ampara -nos, ajudando a descobrir o mistério da vida e a redescobrir-nos.

Tudo que se conhece como factos notáveis em ciência, negócios, arquitectura, educação ou religião dependem muito da Fé, das convicções e da coragem.
       Os sentimentos como a amargura, revolta, saudade são legítimos porque fomos defraudados do melhor que a vida nos ofereceu: os nossos filhos.

O melhor meio de vencer esses sentimentos - pelo menos quanto a mim - é aumentar gradualmente as nossas preocupações, torná-las cada vez mais impessoais, até ao momento em que, a pouco e pouco, a nossa vida mergulhe mais na vida universal, neste mundo sofredor.

O melhor símbolo da Fé é não desistir de ajudar a combater o que está mal, o que parece não ter fim como a fome, a guerra, o egoísmo.

        Vamos procurar a Fé! Vamos empenharmo-nos num mundo melhor. Sejamos jovens e combativos como os nossos filhos eram.

Podemos comparar a nossa existência a um rio: pequeno ao princípio, estreitamente enclausurado entre duas margens. A pouco e pouco, o rio alarga-se, as suas margens afastam-se, a água corre mais calmamente e, por fim, sem nenhuma mudança brusca, desagua no oceano e perde sem sofrimento a sua existência individual.

Temos amado de maneira suficiente a vida em toda a sua plenitude?

       Não podemos esperar retorno físico dos nossos filhos mas podemos encarar a vida trabalhando, tendo objectivos até que a morte nos venha também buscar. O resultado do nosso esforço valerá a pena com certeza.

É preciso procurarmos a Fé, não desistir. Confesso sinceramente que fico extasiada perante todos aqueles que me fazem acreditar que a têm. Continuo cheia de Fé procurando-a para que ela me ajude a sorrir à vida. Encontro-a muitas vezes mas nem sempre perdura... e isso entristece-me. Perdoem esta confusão de sentimentos que estará, neste momento, em muitos corações.

Muitas das nossas emoções, quando traduzidas numa linguagem simples, parecem completamente sem sentido. Essa é a razão pela qual as nossas emoções nunca chegam a ser compartilhadas. Estou aqui querendo comunicar com todo o meu carinho as minhas experiências, as minhas ideias, as minhas dúvidas com todos vós, para podermos encontrar o nosso melhor caminho.

 

Aida Nuno

 

sinto-me:
publicado por criar e ousar às 17:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.mais sobre mim

Contacto via e-mail

.posts recentes

. OS NOSSOS FILHOS JÁ NÃO M...

. Coragem

. Meu filho mostra-me o cam...

. Continuo com todos os que...

. Sempre

. Reflexões

. Partilhar

. É preciso ter coragem

. Dia do Pai

. O Natal e a ausência

.favoritos

. E o que Fazer?

. Partilhar

. Aos nossos Filhos

. Valorizando a Vida

. Mensagem

. Os Cristos no Mundo

. Ambição

. Emigrantes

. Afectividade

. A Ausência

.arquivos

. Setembro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO